fbpx
×

Blog da Academia

Odontopediatria

       A via oral é a via mais fácil, mais acessível e de baixo custo para você realizar no seu consultório quando estamos falando de sedação. Hoje vou te explicar tudo o que você precisa saber sobre sedação medicamentosa via oral.. Vamos lá?

Quando você vai utilizar a sedação por via oral?

        Inicialmente sempre que fizer a tentativa de fazer o atendimento do seu paciente com as técnicas de manejo clínico do comportamento. Se isso não for possível porque seu paciente não estiver condicionado ou for uma criança, um paciente adulto com necessidades especiais ou um adulto fóbico que não consegue realmente colaborar com atendimento, a sedação por via oral vai te ajudar muito a conseguir realizar o atendimento odontológico desse paciente.

       Leia também um post sobre como proceder com pacientes especiais na sedação

       Estão indicados para sedação por via oral os pacientes que apresentam medoansiedadeimaturidadehiperatividade reflexo de ânsia.

       Para sedação por via oral, os fármacos benzodiazepínicos são as medicações de escolha. Isso porque eles realmente apresentam baixos índices de reações adversas, são muito seguros para serem utilizados na clínica odontológica, de fácil administração e de baixo custo, então isso facilita muito o uso dessas medicações no ambiente ambulatorial do nosso consultório.

Medicamentos

       Quando falamos do uso de medicamentos pela via oral existe um ponto que precisa ser considerado. Na área médica há um descumprimento quando você prescreve. Por exemplo um antibiótico para o seu paciente durante 7 dias, em muitos casos, no terceiro, quarto dia ele já sente a melhora da dor, do inchaço, do edema e para de tomar a medicação.

       Isso é o descumprimento da prescrição e se isso acontecesse no caso da sedação medicamentosa, poderia até ser muito grave! Exemplificando é basicamente você pedir para o paciente tomar dois comprimidos da medicação e ele decidir tomar 4, isso poderia causar sobre sedação e o paciente estando na sua residência não estaria monitorado, podendo ter um aprofundamento da sedação e entrar numa intercorrência médica.

       Para evitar o descumprimento existe um método muito simples, a medicação será sempre administrada no consultório odontológico. Então assim que seu paciente chegar é importante pesar o seu paciente, fazer o cálculo da medicação e administrar a medicação no consultório.

Desvantagens

       Existem algumas desvantagens para você utilizar a via oral para sedação na odontologia. O período de latência prolongado é uma delas, que significa tempo muito grande para a medicação começar a fazer efeito terapêutico que você deseja, nós conseguimos o período de latência com o jejum. Se o paciente está com o estômago cheio de alimento, a medicação vai se misturar com esse alimento e atrasar muito o processo de absorção, então com o jejum, o rápido esvaziamento gástrico vai fazer com que a medicação seja rapidamente absorvida no intestino delgado.

       Outra desvantagem da via oral é a impossibilidade de titular. Pelas vias inalatórias e intravenosa, você tem a possibilidade de titulação, ou seja, você pode aumentar gradativamente o nível de sedação através do incremento de doses, você pode pouco a pouco aumentar a quantidade de óxido nitroso na mistura ou acrescentar mais medicação pela via intravenosa. Já por via oral, isso não é possível, não há como você acrescentar doses enquanto você estiver fazendo sedação.

       Como existe o processo de absorção, você tem um período de latência, ou seja, um período para que o efeito terapêutico da medicação comece e a partir do momento que você administrou uma dose, se meia ou uma hora depois, você quiser administrar outra dose, elas não vão se unir. Enquanto a primeira dose já teve o seu pico de ação e talvez já está sendo até eliminada, a segunda dose ainda vai ter que chegar no seu momento de pico de ação para depois também ser eliminada.

       Confira também o curso de Sedação Medicamentosa Via Oral oferecido pela Academia da Odontologia clicando aqui

       Então por via oral você precisa calcular uma dosagem total e ela será administrada de forma única, a partir do momento que essa dose teve o efeito terapêutico desejado você vai realizar o atendimento odontológico do seu paciente. Caso o nível de sedação alcançado não foi positivo, você tem duas opções: tentar realizar o atendimento do paciente mesmo assim ou então sendo esse paciente tolerante, pode ser decidido com o responsável ou com a família que será feito um novo agendamento, um novo cálculo de medicação para que assim, você consiga atingir sedação moderada e realize o atendimento desse paciente.

       Outra desvantagem é que não é possível você aprofundar ou reduzir o nível de sedação pela via oral.

       A última desvantagem, seria a duração mais prolongada da sedação quando você utiliza a via oral, isso é por conta do processo de absorção que atrasa realmente o início do efeito terapêutico. Pela via oral, a medicação precisa transitar pelo trato gastrointestinal, ser absorvida no intestino delgado, para finalmente atingir a corrente sanguínea, só então o processo de absorção estará finalizado. Com isso, você tem um tempo maior para que o efeito terapêutico da medicação inicie, então realmente é mais um ponto de desvantagem, tudo isso pode ser melhorado com o jejum. Sempre que você for fazer sedação por via oral, o seu paciente precisa estar em jejum.

       Aqui vamos ter um trecho do livro “Sedação na Odontologia” do professor Malamed.

sedacao Tudo o que você precisa saber sobre sedação medicamentosa via oral

       Esse trecho nos mostra que é muito simples e seguro realizar sedação medicamentosa no paciente adulto.

       Para ficar um pouco mais claro como você vai fazer o calculo dessa medicação, temos esta demonstração:

midazolam via oral Tudo o que você precisa saber sobre sedação medicamentosa via oral

       O primeiro ponto: você vai encaixar o seu paciente na tabela, ou seja, você vai determinar o comportamento do seu paciente e que tipo de procedimento odontológico você vai fazer. No caso da complexidade do procedimento odontológico, leve em consideração o tempo que você precisa para realizar essa conduta, por exemplo, se você vai fazer uma profilaxia, provavelmente vai precisar de menos tempo do que precisaria fazer um tratamento endodôntico, ou seja, uma profilaxia é um procedimento mais simples do que um tratamento endodôntico que seria pelo menos de média complexidade.

       Em seguida você vai definir o cálculo da dose, ou seja, a partir do momento em que você encaixou o seu paciente na tabela, você escolheu uma célula desta tabela, na célula existe um intervalo de dosagem, por exemplo, de 1 mg por kg à 1,5 mg por kg. Agora você precisa definir se você vai usar 1 ou 1,1 ou 1,2 até 1,5, dentro deste intervalo, escolhendo então qual cálculo você vai utilizar, você vai passar para o terceiro ponto.

       No terceiro ponto estando agora com o cálculo definido, multiplicar este cálculo pelo peso do paciente, com isso, você chegará à dose total de Midazolam que você vai precisar em mg. Por exemplo, se você escolheu o cálculo, 1 mg por kg e o seu paciente tem 30 kg vai ser 1mg por kg vezes 30, são 30 mg de Midazolam, é essa a dose total de medicação que você vai utilizar para sedar este seu paciente de 30 kg.

       Por último estando agora com a dose total de Midazolam definida, como estamos fazendo sedação pela via oral, você vai decidir vai usar comprimidos ou vai utilizar a solução oral. Caso for utilizar comprimidos, dividir a dose total definida pela concentração total do comprimido.

       Na hipótese de utilizar a solução oral, você vai dividir a dose total definida pela concentração da solução. Por exemplo no seu paciente de 30 kg que você decidiu utilizar 1 mg por kg, vai ser necessário administrar 30 mg de Midazolam, se você decidir utilizar o comprimido de 15 mg, você vai precisar de 2 comprimidos.

       Esta mesma quantidade de Midazolam, ou seja, 30mg, se você quiser utilizar uma solução oral de 2 mg por ml, você precisará utilizar 15 ml, ou seja, 30 mg dividido por 2 mg por ml, sobram 15 ml, então o paciente terá que tomar 15 ml da solução. Se você utilizar uma solução mais concentrada, por exemplo, de 5 mg por ml, você vai precisar de um volume de medicação menor, isso é muito bom, no caso deste seu paciente que você quer administrar 30 mg de Midazolam, numa solução de 5 mg por ml, você só precisará de 6 ml, reduzindo o volume, é mais fácil você administrar a medicação ao paciente, principalmente no caso de crianças e também evita desse paciente cuspir ou vomitar a medicação.

calculando Tudo o que você precisa saber sobre sedação medicamentosa via oral

       Por que individualizar tanto a dose para cada paciente? É preciso você lembrar que uma medicação que age no sistema nervoso central, é diferente de um antibiótico, quando você administra um antibiótico para um paciente de 40Kg. Por exemplo amoxicilina, você vai administrar uma cápsula de 500 mg de 8 em 8 horas por 7 dias, se o seu paciente tiver 80 kg, você também vai administrar uma cápsula de 8 em 8 horas por 7 dias, por que é a mesma concentração de medicação sendo que os pacientes são tão diferentes? Porque neste caso, você está tratando um processo infeccioso, a medicação vai agir na parede celular das bactérias que estão causando esta infecção.

       No caso de medicações que agem no sistema nervoso central, temos que considerar que cada pessoa é uma pessoa, cada ser humano vai produzir uma quantidade X de neurotransmissores, de substâncias nos sistema nervoso central, então alguns pacientes serão mais sensíveis e outros serão mais tolerantes a mesma quantidade de medicação.

       Com a sedação, você também consegue redução da secreção salivar, isso facilita o isolamento relativo e mantém o campo operatório limpo e seco.

       A sedação também vai ajudar na prevenção e tratamento de náuseas e vômitos, porque o sistema nervoso central estará menos excitado, o paciente não vai sentir vontade de ir ao banheiro nem de falar. Em alguns casos se ele sentir enjoo, isso pode acontecer como efeito colateral da medicação, aí sim podem acontecer náuseas e vômitos, mas normalmente a sedação vai prevenir este sintoma.

       O Midazolam possui algumas formulações farmacêuticas, comprimido, solução oral, solução injetável, se você estiver fazendo sedação pela via oral, provavelmente você vai utilizar ou um comprimido ou a solução oral. O comprimido é de uso adulto, não existe na bula a indicação pediátrica, porém temos estudos na literatura com o uso do comprimido para sedação medicamentosa via oral em crianças.

       Se você decidir utilizar o comprimido e a criança não deglutir esse comprimido ou no caso de um paciente adulto especial que também não degluti comprimido, você vai precisar macerar este comprimido para poder fazer a administração. A maceração deve ser feita em uma cuba de metal ou de vidro, com pequena quantidade de água e para melhorar um pouco o sabor desta solução, você pode acrescentar um pouco de açúcar ou mel.

Por Adriana Cunha Correia.

Quer saber mais sobre sedação medicamentosa via oral?

Veja nosso plano anual que incluí nosso curso online sobre sedação medicamentosa via oral e entenda como pode ser indicada e como deve ser administrada com segurança. 

Adriana Cunha Correia

Mestre em Odontopediatria - FOA/UNESP
Doutora em Ciências Odontológicas - FOA/UNESP
Pós-doutora em Microbiologia - FOA/UNESP
Capacitação e Habilitação para o uso da Sedação Consciente com Óxido Nitroso
Capacitação em Saúde Baseada em Evidências - IEP
Instrutora de Suporte Básico de Vida - IBRAPH
Clínica Privada

Fale conosco via whatsapp 48991699181