×

Blog da Academia

E-books

As desordens respiratórias do sono merecem grande destaque quando se fala em redução da qualidade do sono na criança. O cirurgião dentista tem apresentado um papel fundamental na identificação e encaminhamento das crianças com desordens do sono, já que alterações craniofaciais ou mesmo oclusais podem estar associadas às mesmas e, portanto, devem ser identificadas pelo profissional. A apneia obstrutiva é a mais grave entre as desordens do sono e por isso a importância de entender seu impacto na qualidade de vida da criança.

A apneia obstrutiva do sono (AOS) é caracterizada por repetidos episódio de obstrução das vias aéreas superiores durante o sono. Na criança, diversos laboratórios do sono já consideram apneia quando há pelo menos um episódio de obstrução respiratória por 6 segundos, onde a criança literalmente para de respirar.

O que vamos abordar:

Ronco X Apneia
Ronco NÃO significa apneia obstrutiva do sono (AOS)

O ronco pode ser considerado como primeiro espectro entre as desordens do sono. De maneira geral, o ronco é considerado benigno, consistindo apenas na resistência da passagem de ar. No entanto, o ronco também pode ter impacto negativo na qualidade de vida da criança, podendo levar a microdespertares ou mesmo redução do rendimento escolar e não deve ser considerado “normal”.

De acordo com o estudo de Albert M Li e colaboradores, cerca de 1/3 das crianças que apresentam ronco primário evoluem para um quadro de AOS em um período de 4 anos, sendo que 7% dessas apresentam quadros moderados ou severos. Os autores observaram ainda que a obesidade é um fator de risco importante para progressão da doença, o que reforça o aspecto do tratamento multidisciplinar dessa desordem do sono.

Aspectos craniofaciais associados à AOS

A AOS possui etiologia multifatorial, sendo normalmente associada a fatores que implicam em redução do espaço aéreo nasofaríngeo. A redução das vias aéreas pode estar relacionada a fatores craniofaciais (dimensões do tecido esquelético da face), língua grande ou retroposicionada, gordura faríngea aumentada ou tecidos linfoides hipertróficos (particularmente adenoides e amígdalas hipertróficas). Entre as alterações morfológicas relacionadas ao complexo craniofacial que podem estar associadas à AOS, podemos citar: pacientes com padrão face longa, deficiência maxilar transversal, retrognatismo maxilar e retrognatismo mandibular.

Paciente Face longa

Os pacientes com padrão de face longa são aqueles pacientes dolicofaciais desequilibrados, onde o terço inferior da face está aumentado em relação ao terço médio. O padrão de face longa é predominantemente genético, porém suas características faciais predispõem ao desenvolvimento de desordens do sono.

paciente face longa E-book apneia obstrutiva do sono
Deficiência Maxilar transversal

A atresia da maxila, ou deficiência maxilar transversal, também é uma característica morfológica que pode predispor ao aparecimento de desordens respiratórias do sono. De acordo com a literatura, a expansão rápida da maxila pode reduzir os índices de apneia a longo prazo. Porém, não há um consenso sobre a indicação do procedimento em pacientes que não apresentam atresia maxilar transversal.

Leia mais sobre o diagnóstico da atresia maxilar transversal.

Retrognatismo Maxil

O retrognatismo maxilar é caracterizado pela deficiência do terço médio da face, normalmente associado a pacientes Classe III esquelética, onde o tratamento ortopédico será importante para estimular o crescimento anteroposterior da maxila através de estímulos nas suturas do terço médio da face. A protração da maxila promove um aumento nas dimensões da nasofaringe, o que pode contribuir para redução dos índices de apneia.

Retrognatismo Mandibular

O retrognatismo mandibular é caracterizado pelo posicionamento da mandíbula para posterior, normalmente associado a pacientes Classe II esquelética.

O cirurgião dentista pouco consegue trabalhar no estímulo de crescimento mandibular de forma significativa. Contudo, as intervenções ortopédicas buscam melhor posicionamento mandibular, refletindo em melhora na relação anteroposterior da mandíbula e contribuindo para redução dos sinais da apneia obstrutiva do sono.

No que se refere aos fatores relacionados à morfologia craniofacial, cabe ao cirurgião dentista o diagnóstico dos mesmos, contribuindo muitas vezes na conduta terapêutica de pacientes com AOS. Porém, é importante ressaltar que o tratamento do paciente com AOS deve ser visto de forma mais ampla, muito além dos aspectos envolvidos na cavidade oral. A conduta terapêutica individualizada será definida pela equipe multidisciplinar composto também por médicos otorrinolaringologistas, pneumologistas, nutricionistas, fonoaudiólogos ou mesmo psicólogos, além do cirurgião-dentista.

Clique no botão abaixo para baixar esse e-book sobre o papel do cirurgião dentista na apneia obstrutiva do sono!

Espero você no curso de Apneia Obstrutiva do Sono ministrado pela Professora Daniela Garib.

Abraços.

Referências:
Shanahan L et al. Sleep Problems predict and are predicted by generalized anxiety/depression and oppositional defiant disorder. J Amer Acad Child Adolesc Psychiatry. 2014; 53 (5).
Chaput JP et al. Systematic review of the relationships between sleep duration and health indicators in school-aged children and youth. Appl Physiol Nutr Metab. 2016; 41.
Li AM et al. Natural history of primary snoring in school-aged children: a 4-year follow-up study. Chest. 2013; 143(3):729-35.https://pubmed.ncbi.nlm.nih.gov/23099418/
Tan HL et al. Obstructive sleep apnea in children: a critical update. Nature and science of sleep. Nature and science of sleep. 2013; 5:109-23.
Camacho et al. Rapid maxillary expansion for pediatric obstructive sleep apnea: A systematic review and meta-analysis. The Laryngoscope. 2017; 127(7): 1712-9.
Garib D. e Naveda R. Apneia obstrutiva do sono em crianças, o papel do ortodontista. In: 12 Congresso Internacional da ABOR. Curitiba-PR: Editora Plena; 2019, p.39-45.

Por Juliana Pereira.

Veja nossos planos anuais e invista em crescimento pessoal e profissional! 

Você possui algum caso clínico que tem muita dificuldade de resolução? Aqui na Academia da Odontologia temos uma mentoria individual e personalizada para que você possa solucionar seus casos clínicos e alcançar o sucesso na odontopediatria!

Juliana da Silva Pereira Andriani

Especialista e Mestre em Ortodontia - UFSC/SC
Doutoranda em Odontologia - UFSC/SC
Membro da Associação Brasileira de Ortodontia - ABOR
Membro da World Federation of Orthodontics - WFO
Professora da Especialização em Odontopediatria - ABCD/ Florianópolis
Professora da Especialização em Ortodontia - ABCD/Florianópolis
Clínica Privada em Florianópolis/SC

Fale conosco via whatsapp 48991699181