Terapêutica Medicamentosa em Odontopediatria: Qual medicamento e quando prescrever? – Academia da Odontologia
×

Blog da Academia

Odontopediatria

A maioria dos problemas odontológicos dos nossos pacientes são solucionados pelos próprios procedimentos que realizamos. No entanto, algumas crianças podem já chegar com alguma dor e sem a possibilidade de tratar já na mesma hora. Ou então, podemos realizar um procedimento mais invasivo ou complexo com potencial de dor pós-operatória. Nesses casos, a prescrição de medicamentos é fundamental, porém, como não é tão frequente na rotina, algumas vezes pode surgir alguma dificuldade dos profissionais nessa prescrição, seja pela escolha do fármaco ou cálculo da dose. Você já passou por alguma dessas situações?

A prescrição medicamentosa, embora possa parecer muitas vezes simples e fácil, sempre deve ser particularizada e baseada na saúde geral do paciente, tipo de dor, intensidade e procedimento planejado. Por exemplo, em casos de dores provocadas raramente haverá necessidade de medicações, pois o próprio procedimento odontológico é capaz de solucionar. Dois fatores importantes relacionados a decisão terapêutica medicamentosa são: a complexidade do procedimento realizado e a expectativa de dor pós-operatória. Estabelecer protocolos na prática clínica pode facilitar o raciocínio e tomar decisões mais certeiras!

Tratamentos de menor complexidade e sem a expectativa de dor pós-operatória não necessitam de nenhuma prescrição medicamentosa.

Tratamentos de menor complexidade e com a expectativa de dor pós-operatória, não têm a necessidade de medicação pré-operatória e deve ser prescrito um analgésico para o pós-operatório. 

Já para tratamentos de maior complexidade e com a expectativa de dor pós-operatória, uma medicação prévia pode auxiliar. Portanto, podem ser prescritos AINES ou anti-inflamatórios esteroidais. Aliado a isso, analgésicos podem ser eficazes no controle de dor pós-operatória.

Quando se trata de infecções bacterianas, a prescrição de antibióticos deve ser realizada quando há sinais de disseminação de infecção local ou sistêmica. Ou seja, não são necessários em todos os casos de infecção, como fístulas e abcessos. Em relação a saúde geral dos pacientes, os imunodeprimidos ou com alterações metabólicas importantes também estão bem indicados. Somando a esses fatores, é usado como medicação profilática em casos de pacientes com risco de endocardite bacteriana. 

Da mesma forma, algumas condições em tecidos moles podem exigir a prescrição de fármacos. Por exemplo as ulcerações, candidose e herpes recorrente. Um outro caso frequente nos bebês é a GEHA – Gengivoestomatite Herpética Aguda, uma infecção de origem viral. Na maioria das vezes, os medicamentos prescritos nessa condição têm o objetivo de aliviar os sintomas, e não estão indicados antibióticos por se tratar de infecção viral.

Confira o curso de Patologia Bucal na Infância incluído nos planos Premium e Plus da Academia!

Terapêutica Medicamentosa

Qual o medicamento mais adequado?

A escolha do medicamento irá depender do histórico alérgico do paciente, peso e idade. Além disso, uma sugestão é perguntar qual medicamento o paciente já está acostumado a tomar quando há necessidade. 

  • Medicação pós-operatória de tratamentos de baixa complexidade: 
  • Dipirona gotas (500mg/ml) ou solução oral (50mg/ml), 
  • paracetamol gotas (200mg/ml) ou suspensão oral “bebê” (100mg/ml) ou suspensão oral “criança” (32mg/ml)
  • Medicações para tratamentos de maior complexidade:

Medicação pré-operatória:

  • Betametasona “gotas”0,5mg/ml
  • Ibuprofeno solução oral “gotas”100mg/ml

Medicação pós-operatória:

  • Analgésicos já citados.
  • Antibioticoterapia:
  • Amoxicilina suspensão oral 250mg/5ml ou 500mg/5ml
  • Esterato de Eritromicina suspensão oral 125mg/5ml, 250mg/5ml
  • Azitromicina suspensão oral 600mg 
  • Claritromicina suspensão oral 125mg/5ml ou 250mg/ml
  • Associação entre metronidazol e amoxicilina 
  • Amoxicilina e clavulanato de potássio
  • Posologia dos medicamentos

Na Odontopediatria temos a peculiaridade de sempre calcular a dose ideal para cada paciente. Esse cálculo deve ser realizado com base no peso e na dose desejada para a criança, o que varia de medicamento para medicamento. A seguir nessas tabelas estão relatadas as medicações mais comuns em Odontopediatria e suas posologias.

Dipirona gotas 10mg/kg

ApresentaçãoSolução “gotas” 500mg/ml
Posologia½ gota/kg
Máximo4 vezes/dia; 20 gotas/dose
Intervalo4/4 h ou 6/6 h
Duração24 h

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Dipirona solução oral 50mg/ml

PesoDose Solução oral (em mL)
(média de idade)
5 à 8kg (3 a 11 meses)Dose única1,25 e 2,5
Dose máxima diária10 (4 tomadas x 2,5ml)
9 á 15kg (1 a 3 anos)Dose única 2,5 a 5
Dose máxima diária 20 (4 tomadas x 5ml)
16 à 23kg (4 a 6 anos)Dose única 3,75 a 7,5
Dose máxima diária 30 (4 tomadas x 7,5ml)
24 à 30kg (7 a 9 anos)Dose única 5 a 10
Dose máxima diária 40 (4 tomadas x 10ml)
31 a 45kg (10 a 12 anos)Dose única 7,5 x 15
Dose máxima diária 60 (4 tomadas x 15ml)
46 a 56kg (13 a 14 anos)Dose única 8,75 x 17,5
Dose máxima diária 70 (4 tomadas x 17,5ml)

Atenção: Crianças menores de 3 meses de idade ou pesando menos de 5 kg não devem ser tratadas com dipirona.

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Paracetamol 10-15mg/kg

ApresentaçãoSolução “gotas” 200mg/ml
Posologia1 gota/kg
Máximo35 gotas
Intervalo6/6 h
Duração24 h

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Paracetamol 10-15mg/mg

ApresentaçãoSuspensão oral 32mg/ml (criança)
PosologiaTabela
Intervalo6/6 h
Duração24 h

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Terapêutica Medicamentosa

Suspensão oral: 32 mg/ml

Peso (kg)Dose (mL)
11-155
16-217,5
22-2610
27-3112,5
32-4215

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Paracetamol 10-15mg/mg

ApresentaçãoSuspensão oral 100mg/ml (bebês)
Intervalo6/6 h
Duração24 h
PosologiaTabela:

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Peso (kg)Dose (ml)
30,4
40,5
50,6
60,8
70,9
81,0
91,1
101,3
111,4
121,5
131,6
141,8
151,9
162,0
172,1
182,3
192,4
202,5

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Ibuprofeno 5-10mg/kg

ApresentaçãoSolução oral “gotas” 50mg/ml
Posologia1 gota/kg
Máximo40 gotas
Intervalo6/6 h ou 8/8 h
Duração24 h

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Protocolo pré-operatório Betametasona

ApresentaçãoSolução “gotas” 0,5mg/ml
Posologia1-2 gotas/kg
Máximo40 gotas
IntervaloDose única
Duração30 minutos antes do procedimento

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Protocolo pré e pós-operatório Ibuprofeno

ApresentaçãoSolução oral “gotas” 100mg/ml
Posologia1 gota/kg
Máximo20 gotas
Intervalo30 minutos antes do procedimento + 6/6h ou 8/8h
Duração48h

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Amoxicilina

ApresentaçãoSolução oral 250mg/5ml, 500mg/5ml
Posologia20-50mg/kg/dia
Intervalo8/8h
Duração3 dias (reavaliação) – 7 dias

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Amoxicilina e Clavulanato

ApresentaçãoSolução oral 400mg/57mg/5ml; 200mg/28,5mg/5ml
Posologia25 – 45mg/kg/dia
Intervalo12/12 h
Duração3 dias * (reavaliação)
Casos de infecções mais severas
A dosagem é calculada pela amoxicilina

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Associação entre metronidazol e amoxicilina

Apresentação do metronidazolSolução oral 4% (40mg/ml)
Posologia7,5mg/kg/dose
Intervalo8/8 h
Duração3 dias * (reavaliação)
Casos de infecções mais severas
Dosagem amoxicilina: 15 – 20mg/kg/dose

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Profilaxia antibiótica

Amoxicilina
Posologia50mg/kg/dose
IntervaloDose única: 30-60 minutos antes do procedimento




Claritromicina / Azitromicina
Posologia15mg/kg/dose
IntervaloDose única: 60 minutos antes do procedimento
Indicação: pacientes alérgicos às penicilinas

Adaptado de: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Resumindo, a prescrição medicamentosa ainda pode causar certo receio por não ser tão frequente na clínica de Odontopediatria. Uma dica então é criar protocolos e ter sempre as posologias disponíveis e de fácil acesso. Quando se tem um correto diagnóstico e planejamento, as medicações podem ser bem empregadas e trazer os efeitos desejados. Com o domínio do conhecimento sobre esse tema, aliado a todo planejamento de cada caso, os pais sentem a confiança e aderem com mais facilidade ao tratamento. 

Abraços e até a próxima!

Nos acompanhe também no Instagram e no YouTube!

Referência: Minozzo, Carla E. Manual de terapêutica medicamentosa em odontopediatria (livro eletrônico). Curitiba: Ed. da autora, 2020.

Rafaela Hochuli

Confira os planos Premium e Plus da Academia!

Private Class, aulas ao vivo semanais, novo curso todo mês e muito mais!

Rafaella Hochuli

Fale conosco via whatsapp 48991699181