Apneia Obstrutiva do Sono em crianças: Conduta terapêutica – Academia da Odontologia
×

Blog da Academia

Odontopediatria

A apneia obstrutiva do sono (AOS) é caracterizada por repetidas obstruções das vias aéreas superiores durante o sono. Quando este bloqueio das vias aéreas superiores ocorre, a pessoa para de respirar por alguns segundos, é induzida pelo cérebro a um micro despertar, volta a respirar e dorme novamente – até que ocorra um novo bloqueio e todo o ciclo se repita.  Em casos graves esse ciclo pode se repetir mais de 30 vezes por hora! No texto de hoje iremos falar sobre as causas e a conduta terapêutica da apneia obstrutiva do sono em crianças.

A pessoa com apneia não dorme bem. Ponto.

Diversas são as causas que podem levar à essa obstrução das vias aéreas superiores durante o sono e elas são diferentes no adulto e na criança.

Causas da apneia do sono em crianças

A principal causa da apneia obstrutiva do sono em crianças é anatômica. Entre as alterações anatômicas que podem originar a AOS em crianças é possível citar hipertrofia dos cornetos nasais, alterações do septo nasal e, principalmente, hipertrofia de tonsilas palatinas e faríngeas.

Além dessas causas anatômicas, doenças neuromusculares – como paralisia cerebral e distrofia miotônica – podem levar a criança a apresentar AOS em virtude do baixo tônus muscular nas vias aéreas superiores e de um imperfeito controle da respiração pelo sistema nervoso central.

Anomalias craniofaciais como deficiência de terço médio da face e micrognatia – mais comumente associadas a síndromes – também podem atuar como protagonistas no desenvolvimento de AOS em crianças.

Confira o e-book de Apneia Obstrutiva do Sono na Infância clicando aqui.

Conduta terapêutica da apneia do sono em crianças

A principal causa da AOS em crianças, como falamos a pouco, é a hipertrofia das tonsilas palatinas e/ou faríngeas. Sendo assim, o principal tratamento é a adenotonsilectomia que, idealmente, deve ser seguida por uma terapia miofuncional realizada por um fonoaudiólogo especializado.

Isso não significa que a cirurgia por si só vá resolver o problema em todos os casos! Em uma grande parcela da população a cirurgia vai sim resolver o problema. Mas em alguns casos outras intervenções também se fazem necessárias.

Havendo persistência pós cirúrgica da AOS, fatores como obesidade, atresia maxilar e retrognatismo dos maxilares devem ser avaliados e devidamente tratados. E nesses aspectos é que entra a equipe multidisciplinar: nutricionista, odontólogo, fonoaudiólogo…

apneia obstrutiva do sono

O uso de CPAP no paciente pediátrico

Outra possibilidade para o paciente refratário à adenotonsilectomia é o uso do dispositivo de pressão positiva contínua, o CPAP (Continuous Positive Airway Pressure).

O CPAP, especialmente em crianças não sindrômicas, deve ser encarado como uma solução provisória. Pela maneira como é fixado na cabeça ele pode impedir o correto crescimento maxilar e gerar um retrognatismo maxilar – o que pode levar a um agravamento futuro da síndrome da apneia obstrutiva do sono. Além disso, a adesão das crianças ao uso do dispositivo é baixa. Estudos apontam que mesmo crianças acompanhadas por equipes multidisciplinares capacitadas, usam o CPAP por apenas 5hrs/noite, período certamente insuficiente para garantir um pleno desenvolvimento físico, emocional, intelectual e comportamental.

Clique aqui e leia mais sobre a importância do sono no paciente infantil.

Sendo assim, em crianças não sindrômicas, os outros fatores causais já abordados aqui devem ser corretamente tratados para que elas não precisem do CPAP por um longo período.

Diagnosticar e tratar corretamente a AOS em crianças é imprescindível! E os cirurgiões- dentistas precisam estar conscientes do seu papel fundamental tanto no diagnóstico quanto nas condutas terapêuticas de ortopedia dos maxilares que podem fazer parte do tratamento.

Referência: Padmanabhan, Vivek; PR, Kavitha; Hegde, Amitha M. Sleep Disordered Breathing in Children – A Review and the Roleof a Pediatric Dentist. The Journal of Clinical Pediatric Dentistry V35, N 1/2010.

Por Maíra Mery Rosa.

Confira nossos planos anuais e aprimore-se!

Maíra Mery Rosa Rangel

Fale conosco via whatsapp 48991699181